Conheça os sintomas da Dengue e o que fazer

 

Os riscos da automedicação na dengue

Tomar remédios por conta própria é pedir pra adoecer mais, piorar ou encobrir o seu quadro clínico. Nesses tempos em que vivemos uma epidemia de dengue, a automedicação se torna especialmente perigosa.

Dipirona e paracetamol são os únicos remédios seguros e eficazes em tempos de epidemia de dengue, e mesmo assim devem ser usados na dose correta.

A dengue frequentemente diminui o nível das plaquetas de quem fica doente, gerando problemas na coagulação que podem levar a hemorragias provocadas ou espontâneas, manifestadas das mais diversas formas: sangramento gengival, manchas hemorrágicas na pele (petéquias), sangramentos pelo nariz (epistaxe), fezes escuras (ou mesmo pretas, chamadas de melena), sangue na urina (hematúria), vômito com sangue (hematêmese), dentre outras. As hemorragias, associadas à hipotensão, são a principal causa de morte dos portadores de dengue.

Quando começam a aparecer os primeiros sintomas (cefaléia, dor nos olhos, febre, dores musculares) as pessoas confundem o quadro com gripe ou outra virose qualquer e muito frequentemente se automedicam com antiinflamatórios. O problema é que a maioria dos antiinflamatórios diminui a agregação das plaquetas, predispondo ainda mais a fenômenos hemorrágicos. Assim, é catastrófica a associação dengue mais antiinflamatórios.

Os remédios mais usados são à base de Ácido Acetil-Salicílico ou AAS (Aspirina, Doril, Cibalena, Sonrisal, etc), Diclofenaco (Voltaren, Cataflan, Dienflex, etc), Ibuprofeno (Alivium), Cetoprofeno (Profenid), Tenoxicam (Tilatil), Meloxicam, Celecoxibe (Celebra), Rofecoxibe (Prexige), dentre muitos outros. TODOS são muito perigosos ao serem usados em pessoas com dengue.

Dipirona (Novalgina, Dipimed, Anador, etc) ou Paracetamol (Tylenol, Tyflen, Sonridor, etc) são os remédios mais usados. A dose máxima da Dipirona é de 1 grama (40 gotas ou dois comprimidos de 500mg) a cada 6 horas. A dose do Paracetamol é de 500mg (1 comprimido ou 50 gotas) também a cada 6 horas.

(Veja mais aqui)

APENAS USE REMÉDIO COM INDICAÇÃO MÉDICA! AS INFORMAÇÕES ACIMA SÃO DE CUNHO INFORMATIVO E NÃO PRETENDE EM NENHUM MOMENTO SUBSTITUIR A CONSULTA MÉDICA.

 

Sobre Daniel Coriolano

Daniel Coriolano possui graduação em medicina pela Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte (2011) e residência médica em Medicina de Família e Comunidade pela Universidade Federal do Ceará – UFC (2013-2015). O médico também é diretor executivo da Núcleo M.D., empresa de eventos de desenvolvimento profissional e pessoal na área da saúde. Atualmente também é professor da graduação em medicina da Universidade de Fortaleza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *