Obesidade: um olhar sociocultural e econômico

A obesidade tem em sua envergadura aspectos multifatoriais. Neste contexto não deve ser avaliada apenas com uma análise tecnicista ou através de parâmetros antropométricos. A eventual prevalência de obesidade em populações distintas sofre influência dos aspecto socioculturais e econômicos. De fato o acúmulo de tecido gorduroso pode revelar uma fenda do abismo social brasileiro e mundial, lance análogo ao que ocorre com a desnutrição e anemia ferropriva. A obesidade também pode ser observada nas populações com considerável nível de pobreza, não é restrita apenas as classes com maior quantidade de dinheiro e que podem comprar mais comida.

O acesso a informações sobre a obesidade (de que o excesso de peso tem capacidade de produzir complicações para a saúde) chega para as classes financeiramente mais privilegiadas e repercute de maneira tal que este grupo assume perante ao meio uma alimentação dita “natural” ou “saudável”, visto que tem acesso a comidas de menor índice glicêmico, alimento diet, light, percentual diversificado de nutrientes ao longo do dia além de uma rotina de exercícios físicos, modulação hormonal para determinados grupos etários e valorização das atividades de lazer. Muitos dos pontos elencados tem com fator proibitivo ou de barreira o aspecto monetário, quando a renda familiar não permite pagar por muitos dos elementos de uma mudança de estilo de vida.

De fato analisar uma população com elevada prevalência de obesidade ou abordar a pessoa com excesso de peso apenas através do seu índice de massa corpórea (IMC) é reduzir a dimensão do fato. A enfermidade deve também ser enfrentada e percebida com um olhar social, cultural e econômico.

Estou certo de que debates devem ser iniciados sobre este subtema complexo e instigante.

Sobre Daniel Coriolano

Daniel Coriolano possui graduação em medicina pela Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte (2011) e residência médica em Medicina de Família e Comunidade pela Universidade Federal do Ceará – UFC (2013-2015). O médico também é diretor executivo da Núcleo M.D., empresa de eventos de desenvolvimento profissional e pessoal na área da saúde. Atualmente também é professor da graduação em medicina da Universidade de Fortaleza.

Deixe aqui seu comentário:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *